Chamada para o Ato contra a tarifa em Cuiabá

Vídeo de diálogo da Resistência Popular MT com a população, sobre mais um ataque a um direito social: transporte.
Semana em que foi anunciado nos principais meios de comunicação o aumento da tarifa do ônibus em Cuiabá que atualmente se encontra na casa dos R$ 3,10.

Essa é uma luta longa e que está dentro de uma luta maior pelo PODER POPULAR!

Ato contra o aumento da tarifa em Cuiabá, dia 26/01 às 17h na Praça Alencastro, mais informações na página do evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1663965003862994/

 

Chamada para o ato:

 

Vídeo de diálogo:



LUTAR, CRIAR, PODER POPULAR!

Manifesto pela luta dos transportes

nota

Opinião da Resistência Popular MT, para o próximo período de luta pelo transporte em Cuiabá e Várzea Grande.


O ano de 2016 já se inicia em Cuiabá com mais um ataque dos gananciosos empresários dos transportes com respaldo da prefeitura. A Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (AMTU) protocolou mais um pedido de aumento da tarifa do ônibus, que poderá ficar com o absurdo valor de 3,60 ou 3,80.
Cerca de 32% da população em Várzea Grande e Cuiabá, em 2005, já não conseguia utilizar o transporte público devido ao valor da tarifa, que era 70% acima da inflação. Hoje, com a tarifa no valor de 3,10, que está 85% acima da inflação, o número de pessoas que não tem condições para pagar a passagem é bem maior. A justificativa para o aumento é feita a custa da falácia de acréscimo dos custos e benefícios, tais como combustível, insumos, salário de funcionários das empresas de ônibus, entre outros. Um cálculo que não considera em nenhum momento o bem-estar dos usuários e trabalhadores do transporte ou a qualidade dos serviços prestados.

Do outro lado: falta de ar-condicionado nos coletivos, vida útil dos veículos já perto do fim, frota com número de ônibus insuficiente para atender os bairros de periferia, motoristas sobrecarregados trabalham em condições péssimas e recebem salários bem abaixo do justo pela carga de trabalho… a lista de problemas que precarizam o transporte “público” em Cuiabá e Várzea Grande é imensa, e mais imenso é o lucro que ele produz para os bolsos da máfia empresarial!
Para a população pobre, trabalhadoras e trabalhadores e também os estudantes que utilizam rotineiramente o transporte, resta os sofrimentos diários de enfrentar ônibus lotados, ficar um tempão nos pontos até que um possa parar por estar menos lotado, descer e subir de ônibus duas ou três vezes durante o mesmo percurso porque os dois ônibus pegos em sequência quebraram e não puderam continuar! Somente no ano de 2015, e contando apenas os fatos noticiados pela imprensa, foram inúmeros os relatos sobre ônibus quebrados e deixando passageiros a pé no meio do caminho. O fato de que 100% da frota da empresa Norte Sul foi reprovada na fiscalização por não atender as condições exigidas de funcionamento já nos diz tudo! (http://migre.me/sErfm) Mesmo sendo reprovada a frota, a Norte Sul nunca foi proibida de funcionar ou foi penalizada, o que significa um crime dadas as graves consequências que a irresponsabilidade da empresa pode causar.

Outro forte exemplo de precarização foi o ônibus que pegou fogo no centro da cidade, aos olhos de todos! (http://migre.me/sErcL) Como máfia, poder público, prefeitura e secretarias envolvidas, e empresários sempre encontram um meio de sair ganhando, sem penalidades e sem ter de fazer as mudanças necessárias. Importante observarmos que a tal empresa Norte Sul atende uma região periférica bastante carente de transporte, que abrange os bairros pedra 90, Pascoal Ramos, Industriários 1 e 2, Nova Esperança, São Sebastião, Distrito Industrial e toda a região da BR 364 entre pedra 90 e trevo do Tijucal. Nessa imensa região, os bairros vizinhos contam com a linha maior que vem do Pedra 90, com ônibus já lotados. O número de ônibus dessa linha não abastece nem o bairro do Pedra 90, quem dirá os bairros vizinho, o resultado já foi citado acima! Assim como esse exemplo, acontece algo bem parecido nos demais bairros das periferias.

A tarifa de Cuiabá já é uma das mais caras, em relação a outras capitais e as nossas condições locais. Conforme o cálculo do IPCA (índice que regulamenta os preços de serviços de acordo com a inflação no Brasil), hoje, a tarifa já é 71% maior do que previsto pelo índice; o que quer dizer que estamos acima de um valor necessário, mesmo que levássemos em consideração a tão discutida “crise” brasileira. Em 2015, o aumento salarial dos motoristas de ônibus, mesmo com a greve, não foi maior do que 100 reais; sabendo ainda que o impacto do salário dos motoristas e trabalhadores gerais do transporte no cálculo não é desculpa nem de longe para um aumento da tarifa. Até porque os salários são baixíssimos! Se não há investimento na qualidade do transporte e o salário dos trabalhadores é baixo, o que justifica o aumento? Só podemos concluir que é o LUCRO dos donos das empresas!

Não há dúvida, precisamos nos revoltar contra toda essa máfia e as condições sub humanas a que somos obrigados a enfrentar no transporte em Várzea Grande e Cuiabá! Precisamos nos revoltar e nos organizar para exigir o que é nosso por direito. De acordo com a Constituição Federal: “Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.” (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 90, de 2015). Como um dos direitos sociais, podemos dizer básicos, o transporte deveria ser público de verdade, no mínimo. Quando dizemos público de verdade, queremos dizer que nós temos direito a um transporte sem cobrança de qualquer tarifa, como temos direito a escolas e hospitais. Quando dizemos no mínimo, queremos dizer que isso é um primeiro e pequeno passo, para cumprir o que está na própria Constituição e garantir um direito já legalizado e negado pelo Estado; pois, para um transporte realmente do povo, precisaríamos, ainda, avançar para um transporte que fosse também organizado e controlado pelo povo. Não somos nós, população, que temos que pagar o lucro do empresário; pois a atual máfia do transporte possui dinheiro o suficiente para financiar campanhas políticas, além das isenções e incentivos fiscais que recebem do Estado.

Sabemos que nossa organização não é somente para barrar os aumentos de tarifas, mas também para exigir um outro transporte possível, com qualidade e dignidade para o povo! Assim devemos sempre lembrar que essa luta deverá ser feita com a constância e a firmeza do trabalho no cotidiano e a longo prazo. Capaz de construir um movimento feito pelo conjunto da população trabalhadora e oprimida, de forma horizontal, participativa e combativa. Sempre atento aos oportunistas, que, se colocando como “representantes” acumulam somente em causa própria, pelas negociações espúrias com o governo, e minando a única forma de participação política capaz de empoderar o trabalhador – a participação direta na luta por seus direitos e necessidades.
Por essa razão, nossa organização também será construída cotidianamente na resistência ao longo do tempo, em bairros, escolas, locais de trabalho e nas ruas. Essa é uma luta longa e que está dentro de uma luta maior pelo PODER POPULAR!


Janeiro de 2016.


RESISTIR HOJE AMANHÃ E SEMPRE!
LUTAR CRIAR PODER POPULAR!
RESISTÊNCIA POPULAR!

Votação do Plano Municipal da Educação

MR PME png1

[versão para download e impressão:]
https://drive.google.com/file/d/0B5F8PfJXRJKQU29HbFB5ZjFvTXM/view

MULHERES RESISTEM – MT

23 de Junho: votação do Plano Municipal da Educação
Nossa opinião e nosso REPÚDIO!

Como em outros munícipios, em Cuiabá, também houve a construção do Plano Municipal de Educação; como em outros municípios, as forças em defesa da “família” e da igreja também se organizaram para que fosse retirada, principalmente, a palavra gênero do documento. Durante todo o processo de construção do Plano, quando ainda estava em discussão pela comissão composta por SEDUC/MT (Secretaria de Educação), Conselho Estadual de Educação e SINTEP/MT (Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público), ocorreram pressões e ameaças aos que participavam das discussões por parte dessas forças – o SINTEP/MT, por exemplo, soltou uma nota de repúdio a essas práticas.

Apesar do modo burocrático pelo qual, muitas vezes, esse Plano é construído, sempre buscou-se garantir que a Educação Básica do munícipio tivesse acesso a debates que fortalecessem uma formação mais humana e que promovesse a igualdade – como orientação de documentos mais gerais que regulamentam a Educação Básica brasileira. A inserção de tais pautas nesses documentos foi um avanço conquistado com muitas lutas de educadores, sindicatos e movimentos sociais.
Mato Grosso é marcado por um histórico de opressão e por uma estrutura social que ainda reflete muito dos “tempos do coronelismo”, sem contar seu forte conservadorismo religioso. A luta e a conquista da Gestão democrática nas escolas do município e do estado foram uma das tentativas de vencer essa barreira do “coronelismo” na educação, já que gestores indicados por políticos regiam as escolas com mãos de ferro. E essa luta começou com mulheres – sempre é bom lembrar –, educadoras organizadas na primeira Associação em MT, que deu origem ao SINTEP / MT.

Por essa e outras tantas razões, a perda de tal pauta para as forças da direita significa um retrocesso nas conquistas e avanços na luta por uma educação mais emancipadora. Uma perda amarga para trabalhadoras que têm seus filhos nas escolas públicas, para educadoras que atuam na rede municipal, para lésbicas, gays, trans, negras e todas e todos que lutam pela transformação social.

O dia da votação do Plano na Câmara dos Vereadores de Cuiabá (23/06/15) mostrou todo o conservadorismo, o preconceito e o autoritarismo ainda imbuídos na sociedade cuiabana e em MT, no geral. “As famílias” da elite cuiabana e a igreja católica mostraram-se das mais conservadoras. A câmara mostrou a quem serve, aos interesses dos opressores e dos conservadores. A polícia mostrou que está sempre a postos para proteger essa estrutura.
Mais do que isso, o grande número dos defensores da “família” na Câmara nesse dia e a forte presença dos padres (todos uniformizados com suas batinas) demonstrou o quanto essa direita cuiabana está cada vez mais organizada. O fato de tentarem a todo custo tomar todos os lugares da sessão e toda a entrada do prédio é um exemplo.

Esse dia também deixou claro como a democracia está apagada da câmara, assim como de outros espaços. Além dos vereadores terem votado a favor da “tradicional família”, enviou o aparato repressivo do Estado para calar as vozes que manifestavam por uma educação laica de verdade, pela igualdade dos seres humanos, contra o preconceito e a violência. A forma violenta como a polícia expulsou essas vozes para fora do prédio e o apoio dado pelos defensores da “tradicional família” à ação policial truculenta (gritando alto a palavra família, ao verem a polícia empurrar vários militantes) nos mostram na prática como essas forças estão alinhadas.

Diante disso, nós, Mulheres Resistem/MT, repudiamos a ação antidemocrática desses grupos religiosos, do Partido Social Cristão/MT, da elite cuiabana e dos tais defensores da “tradicional família”, que empurraram seus preconceitos e conservadorismos para a educação à base de ameaças, articulações políticas das mais oportunistas e imposições. Repudiamos toda a violência policial utilizada contra os manifestantes que marcaram sua posição contrária. O número de policiais da ROTAM era enorme, carregados de armas e bombas de gás. Os policiais agrediram verbal e fisicamente, xingaram, deram socos, ameaçaram de prisão, violentaram corporalmente e violentaram nosso direito de expressão, de democracia e de liberdade.

Esse dia mostrou o quanto nossa luta é grande nessa terra de mato grosso. E, para essa luta, a organização e a unidade das (os) que lutam são cada vez mais urgentes para que possamos avançar. Ainda que sejamos de forças diferentes, a unidade na ação é uma das determinantes para nossa resistência. Não podemos mais responder às demandas, precisamos buscar sempre a antecipação!
No mais, nós, Mulheres Resistem/MT, nos colocamos na luta! E que estejamos todas e todos sempre a postos para resistirmos a esse e aos demais ataques que virão.

MULHER QUE LUTA GERA UM MUNDO NOVO!